Isadora Falcão

Interior design

I still have to do it with my hands
For today I’m filled with poetry
Perhaps just don’t know how to say it

I’m always going through old diaries
Looking for some obviousness
That makes me think

My path is made of regressions
Your name all over the highways
Back and forth to the same point

Design de interiores

Ainda tem que ser com as mãos
Que hoje eu tô cheia de poesia
Só talvez não saiba falar

Vivo remexendo cadernos velhos
À procura de uma obviedade
Que me faça pensar

Meu caminho é todo de recaídas
Teu nome nas avenidas
Voltando sempre pro mesmo lugar

Tomorrow we didn’t meet

Tomorrow we didn’t meet
On your doorstep
I didn’t want to say
hi

Tomorrow I was scared
About your commitments
Of your escape when saying
later

Tomorrow I didn’t know what to do
With you wandering around
Without the guts to say
perhaps

Tomorrow I thought
That I could move
But I keep still so I can say
goodbye

Amanhã a gente não se viu

Amanhã a gente não se viu
Na soleira da sua porta
Eu não quis dizer
oi

Amanhã eu fiquei com medo
Dos seus tantos compromissos
Da sua escapatória ao dizer
depois

Amanhã eu não soube o que fazer
Com você rondando por aqui
Sem coragem de dizer
talvez

Amanhã eu pensei
Que pudesse me mover
Mas fico parada até poder dizer
adeus

Traces
 
Your absent look
Seems not to take me seriously
While it wanders around
Crushed pieces of my body

Your wide smile
Hides a bitter taste
Left by the last kiss
Thrown into desire’s own grave

And your hands
Wave back to me
Drearily away
Almost obscenely

Traços

Seu olhar aéreo
Parece não me levar a sério
Enquanto passeia perdido
Pelo meu corpo moído

Seu sorriso largo
Esconde um gosto amargo
Deixado pelo último beijo
Jogado na cova do desejo

E suas mãos
Jogam-me um aceno
Melancolicamente distante
Quase obsceno

 

 


All poems and translations by Isadora Falcão.